09/08/2016

Memórias

  Três. Não sabia dizer; a única coisa que sabia era que permaneceu ali por três. Sómente e apenas três. Anos? Meses? Dias? Não sabia. E, de certo modo, saber não queria.

  Então, hesitante se ergueu o rapaz, pousando os pés morenos no piso frio do hospital. "Talvez isso nem seja mesmo um hospital", imaginava, sentindo um frio quase sobrenatural rodear seu corpo liso, magro e jovem. Todas as suspeitas foram rápidamente compreendidas quando percebeu que se encontrava sem roupas. Pior: não havia peça alguma; escapuliu um xingamento em voz alta.

  Entretanto, havia medo implantado em seu ser. Tinha medo de sair, medo de ver o diferente, medo dos médicos, especialmente. Poderia ter perdido a memória; poderia ter uma doença mental; poderia estar ali por qualquer coisa, e boa não era.

  E então, àquele cujo não sabia o próprio nome, não gritou, não falou, não piscou. Apenas saiu daquele lugar horrível. Não lembrava como, mas fugiu. Mas, agora que pensava, não era tão ruim assim.

  Agora, vendo o que ele é, o que ele fez, o que ele se tornou... Francamente, estava convencido. Devia ter permanecido.

  Enfrentava dificuldades demais agora. Antes, simples era.

  Viveu com esse sentimento a vida toda. No entanto, isso passou.

  Era livre agora. Nada poderia tirar isso dele. Infelizmente, compreendeu tarde demais.

  Ah, que pena.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário