16/08/2016

Um Leve Engano

- Você tem certeza disso? - já dizia Gray, num tom que sugeria zombaria.

- Alguma vez já brinquei, Gray? - apontava Gerold, um cara sério e nada, nada divertido. Não culpava-o: se não fosse assim, nunca seria seu melhor amigo.

- Talvez seja por isso que nunca foi inibido.

- Talvez seja por isto que não leva nada á sério. - Levantou-se de um jeito nada calmo. - Cresça primeiro. Fale comigo em segundo - e foi

  Espera. Teve de pensar: Gerold acabou de sair da sala e falar para crescer!? Aquilo era, no mínimo, estranho de sua parte. Talvez significasse que o que ele diria é importante. Não fazia ideia, ademais.

- Eu também te amo - gritou. Um sorriso branco delineou-se de seus lábios cheios, com dentes tortos para quer que onde passava a língua. Nunca se importou com isso; achava até mesmo um belo toque exótico em sua aparência infantil: olhos grandes e escuros como duas pedras d'ônix, sempre residindo diversão, embutido num rosto pálido cor-de-neve.

  Os passos fortes de Gerold saíram dos ouvidos de Gray, afinal. Ainda bem. Pulou na cama velha e cheia de ácaros, num suspiro prolongado de alívio.

- LIBERDADEEEEEEEEEEEEEEE- gritou em alto e ótimo som. Todavia, o som transbordava felicidades.

  De repente, notou rápido demais as passadas no teto. Prendeu a respiração; acelerava o coração; um despejo de emoção.

  Tinha que sair dali. Rápido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário