22/05/2018

Alimento

    Empertigado, fito o teto desolado; apodrecido pelos anos infindáveis. Poderia eu enxergar além? Nada vejo senão teias interconectadas sob minha cabeça; acima de meus olhos, a saciar curiosidades pueris. Aranhas etéreas a pincelar-me o corpo numa prisão angustiante. Fadas alegres, a entoar canções afoitas, tímidas e deliberantes.

    "Presenças fulgurantes. . ."

    Imagino minha face rubra enquanto amarfanho-me nos finos cobertores que cobrem um colchão esfarrapado. Por entre sombras e escuridão, um murmúrio gélido sopra de meus lábios ressecados:

    "Alimento minha paixão na vastidão oceânica do espaço-tempo. . ."

    A calamidade refreou, e via-me inundado de um líquido quente e viscoso, como se minhas lágrimas adquirissem um teor lívido e mortiço, a percorrer meu rosto como brasas incandescentes. Um segundo bastou para que eu abrisse as pálpebras e tudo voltasse ao normal. Fora, afinal, um sonho. . .
    Apenas um sonho.

    - Bonita frase.

    Viro-me, assustado.

    - Leste meus pensares? - indago, abusivo.

    Era uma menina. Súbito, percebo: não estou em meu quarto, mas numa sala colossal cujas alturas não têm fim. Boquiaberto, não consigo crer no crível; tampouco ver o visível. Como entender o inteligível?

    - Não precisa ser tão agressivo, Gabriel. Apenas acompanho o dia, a noite e o luar - disse a menina, quase a cantar.

    Silêncio. Pondero suas palavras, assentindo.

    - Sabe? É deprimente saber que as únicas coisas que podem nos ver são os seres humanos. Não mostramos nossa totalidade. É estranho; é como se existíssemos sem existir. . . Sim. Perdemos tempo. . . e o ganhamos - conclui a estranha menina. - E não sou estranha. Sei que escreves esta história.

    - O quê? - fito-a, confuso. - Crio vida, mas não sei o que ela é. . . Por que escrevo a mim mesmo num cenário inteiramente diferente do que aquele em que verdadeiramente estou? Sou munido de preocupações, anseios e limitações. Por que O Criador não faz diferente?

    - Por que ele quer vê-lo sofrer. Quer que experimente o máximo sofrimento, para alcançar o máximo amor. Não há limites. . .

    É infinito.